MBL (KIM, ARTHUR E RENAN SANTOS) com a panela na cabeça. 

 

O Movimento Brasil Livre, conhecido pela sigla MBL, organizou para dia 12 de setembro uma manifestação contra o governo Jair Bolsonaro. Manifestações 12/09 fez MBL por a panela na cabeça para esconder a vergonha. Alguns dias atrás no dia 06 de setembro Arthur do Val, Kim e Renan estivera durante 4 horas no programa Inteligência Limitada do cartunista Vilela, nada além do mesmo, os três rapazes não possuem qualquer tipo de conhecimento sobre o que é a vida de um trabalhador ou de um jovem de periferia. As soluções políticas apontadas pelos rapazes se assemelham muito a um misto da rebordosa de whisky falsificado com cigarro do Paraguai.

De acordo com Arthur do Val, “Brasília tem 513 deputados mas que manda mesmo são 20” Arthur e os outros dois convidados misturam jargões econômicos com filosofia de boteco pé sujo.

Simplificação da Realidade

De acordo com Renan Santos se as pessoas não “pararem de votar em populista que faz assistencialismo e começa a fazer bancada forte, os estados nunca vão se libertar desses populistas”. É quase uma piada ouvir do MBL que considera Sérgio Moro uma boa opção para presidente, falar sobre populismo após terem eleito Bolsonaro.

Mas vamos aos fatos, o MBL é mais oportunista que movimento, o nome deveria ser Oportunistas Brasil Livre, que teríamos mais empatia com esses jovens. Quero fazer uma crítica cética, ou seja, quero considerar apenas as ações organizadas pelo MBL em 2014 e 2015 que ajudaram a dar força para a implantação de uma dominação de espectro fascista dentro das redes sociais e da política.

Kim Kataguiri, foi rotulado pela esquerda como uma das piores pragas para sua geração, o que não é um demérito qualquer, é um baita de um demérito tendo em vista que a geração do Kim é responsável por clássicos como Dança da Motinha.

Kim ficou famoso por descomplicar a burrice que o Bolsonarismo pensava e pregava, como podemos ver neste vídeo que ele consegue emburrecer os argumentos do Leonardo Stoppa, Kim Kataguiri – Leonardo Stoppa reaparece para passar vergonha. Kim e o MBL cresceu nas redes sociais fazendo parte do grupo de emburrecimento das massas. O conteúdo emburrecedor criado pelo MBL e pelo próprio Kim além de muito bem feitos, misturam a verdade com a mentira e com um recheio e uma cobertura de desinformação com brincadeirinhas lacradoras.

Se existisse um troféu de tosquice, o MBL estaria pautado como ganhador consecutivo.

O que temos para admirar no MBL é sua gigantesca capacidade de ir até o fim com discursos sem sentido. Nos últimos 2 meses o MBL e o movimento Vem Pra Rua marcaram uma manifestação para o dia 12 de setembro, hoje, que literalmente flopou.

Baixa Adesão

As manifestações do dia 12 de setembro teve baixíssima adesão e não chegou a fazer frente com as organizadas para ajudar no golpe, quando o MBL participou do inicio da destruição juvenil democracia do nosso país. Quando apoiou Bolsonaro e o golpe, talvez não tivesse pensado que reconstruir, ou reconquistar é sempre muito mais difícil do que destruir e desmontrar. A tentativa do MBL de defender a democracia no dia 12 de setembro vem junta com uma pauta estritamente política e uma necessidade absurda de ter um candidato para um nome que tenha força contra Lula e bolsonaro.

O sonho do MBL é ser o genitor da 3ª via que vai salvar o Brasil, parece até piada, mas essa é a análise fria dos fatos. Para possibilitar uma terceira via, o MBL que criar fatos políticos que confrontam os nomes, as manifestações pela democracia seria então uma fantástica ideia mas infelizmente flopou. As manifestações do dia 12 de setembro teve baixíssima adesão

O MBL escalou, Amoedo, Ciro, entre outras figuras, mas ninguém é capaz de salvar o MBL do seu próprio legado. O legado do MBL tem privatizações de estruturas de defesa do estado brasileiro como petróleo e energia, entre outras cagadas históricas que será quase impossível.

Enquanto isso, Lula segue ganhando no primeiro turno e o MBL segue tentando entender por que sua manifestação não deu quase ninguém. Realmente muito fraquinha, parece que São Paulo tem apenas uns milhares de habitantes, vamos deixar a dica para as próxima seja marcada em Osasco.

O que o MBL quer?

Nem Lula nem Bolsonaro, é só isso que os representantes do MBL querem, querem construir um cenário onde seja possível o aparecimento de uma opção tão limpa quanto eles. O MBL não é um partido político, não é uma organização socialmente reconhecida, eles estão mais para um grupo de militantes de direita de vários espectros ideiologicos incluindo a extrema direita. O MBL segue a onda, e no momento estão buscando criar sua própria onda, mas pelo que parece não vai ser tão simples, e não vai poder usar mais boa parte de coxinhas que estavam a favor do golpe que eles ajudaram a promover, nunca nos esqueçamos disso.

Leia Mais:

Geddel Vieira Lima foi absolvido pela 2º Turma do STF.

 

Líderes do MBL defendem privatização da Petrobras e chamam Rede de ‘estelionato’